terça-feira, 1 de janeiro de 2013

Memória Sempre Viva




Ao fim de mais de 60 anos de portas abertas ininterruptamente na vila de Marvão, a padaria encerra as suas portas. Agradecemos a todos os clientes que durante estes anos, nos apoiaram verdadeiramente. 
Uma padaria com forno a lenha, a funcionar de forma artesanal, não é das coisas mais comuns nos dias que correm… Muitas pessoas que nos visitaram, sejam elas do nosso país, ou de outros países, mostraram a sua simpatia e admiração, pela forma como era elaborado o pão. 
O sabor do pão na vila de Marvão nunca será o mesmo, mas a memória continuará viva em todos aqueles que ao longo dos anos, passaram no nº4 da travessa do Pe. Júlio. Até sempre

terça-feira, 1 de março de 2011

VENDE-SE A PADARIA DA VILA DE MARVÃO

PARA MAIS INFORMAÇÕES CONTACTE ATRAVÉS:

MAIL (preferencialmente):




Telemóvel:
919285220






quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

ODE AO PÃO de Pablo Neruda



Pão,

com farinha

água

e fogo

te levantas.

Espesso e leve,

reclinado e redondo,

repetes

o ventre

da mãe,

equinocial

germinação

terrestre.

Pão,

que fácil

e que profundo tu és:

no tabuleiro branco

da padaria

estendem-se as tuas filas

como utensílios, pratos

ou papéis,

e de súbito a onda

da vida,

a conjunção do germe

e do fogo,

cresces, cresces

de súbito

como

cintura, boca, seios,

colinas da terra,

vidas,

sobre o calor, inunda-te

a plenitude, o vento

da fecundidade,

e então

imobiliza-se a tua cor de oiro,

e quando já estão prenhes

os teus pequenos ventres

a cicatriz escura

deixou sinal de fogo

em todo o teu doirado

sistema de hemisférios.

Agora,

intacto,

és

acção de homem,

milagre repetido,

vontade da vida.

Ó pão de cada boca

não

te imploraremos,

nós, os homens,

não somos

mendigos

de vagos deuses

ou de anjos obscuros:

do mar e da terra

faremos pão,

plantaremos de trigo

a terra e os planetas,

o pão de cada boca

de cada homem,

em cada dia

chegará porque fomos

semeá-lo

e fazê-lo,

não para um homem, mas

para todos,

o pão, o pão

para todos os povos

e com ele o que possui

forma e sabor de pão

repartiremos:

a terra,

a beleza,

o amor,

tudo isso

tem sabor de pão,

forma de pão,

germinação de farinha,

tudo

nasceu para ser compartilhado,

para ser entregue,

para se multiplicar.

Por isso, Pão,

se foges

da casa do homem,

se te escondem,

se te negam,

se o avarento

te prostitui,

se o rico

te armazena,

se o trigo

não procura sulco e terra,

pão,

não rezaremos

pão,

não mendigaremos,

lutaremos por ti com outros homens,

com todos os famintos,

por todos os rios, pelo ar

iremos procurar-te,

a terra toda repartiremos

para que tu germines,

e connosco

avançará a terra:

a água, o fogo, o homem

lutarão junto a nós.

Iremos coroados

de espigas,

conquistando

terra e pão para todos,

e então

também a vida

terá forma de pão,

será simples e profunda,

inumerável e pura.

Todos os seres

terão direito

à terra e à vida,

e assim será o pão de amanhã,

o pão de cada boca,

sagrado,

consagrado,

porque será o produto

da mais longa e dura

luta humana.

Não tem asas

a vitória terrestre:

tem pão sobre os seus ombros,

e voa corajosa

libertando a terra

como uma padeira

levada pelo vento.

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

XXVI Feira da Castanha

Fica feito o convite para mais uma Feira da Castanha em Marvão

sábado, 12 de setembro de 2009

Entrada da Vila de Marvão

Postal dos anos 40 da Entrada da Vila de Marvão.
Foto de A. Assumpção